Educador Família

Saiba tudo sobre o desenvolvimento cognitivo e emocional!

Por FTD Educação

Estimativa de leitura: 11min 31seg

11 de janeiro de 2024

O desenvolvimento cognitivo e emocional é tão importante quanto o físico. É possível estimular processos e habilidades que fazem toda a diferença no potencial das crianças e na sua formação humana.

Quando pensamos no crescimento infantil, logo vem à mente o desenvolvimento físico e biológico. No entanto, há muitos outros aspectos envolvidos nessa fase de grandes avanços e descobertas. O desenvolvimento cognitivo e emocional, por exemplo, ocorre em toda a vida, mas se dá com força total na infância.

É no começo da vida que processos como a concentração, a memória e a linguagem se aprimoram significativamente. Também é nessa fase que começamos a adquirir maior regulação emocional e empatia.

Muitos desses aspectos são construídos naturalmente, por meio da interação com o meio e do acúmulo de experiências. Porém, estímulos direcionados e intervenções adequadas para a idade ajudam a promover um crescimento saudável e equilibrado em todas essas áreas.

Para explicar o assunto, preparamos este texto. Continue a leitura e confira em mais detalhes como se dá o desenvolvimento cognitivo e emocional e como estimulá-lo!

Quais são as esferas do desenvolvimento humano?

O desenvolvimento infantil abrange várias esferas inter-relacionadas, cada uma contribuindo para a formação integral de uma pessoa. Entre as principais peças desse complexo quebra-cabeças formativo, estão a evolução motora, a cognitiva e a socioemocional.

A primeira costuma ser acompanhada de perto pelas famílias nos primeiros anos de vida de uma criança. A habilidade de rolar, o aprimoramento de movimentos finos e, é claro, os primeiros passos sempre chamam atenção dos pais e cuidadores, que acompanham com entusiasmo essas pequenas-grandes conquistas.

A esfera cognitiva começa a se destacar na fase escolar, quando aspectos como a atenção e a memória passam a fazer diferença no aprendizado dos pequenos, embora se desenvolvam em ritmo acelerado desde os primeiros momentos de vida.

Já os aspectos socioemocionais permeiam toda a infância — na verdade, estão em perpétuo desenvolvimento. Afinal, mesmo na vida adulta, sempre temos algo a aprender para gerir melhor nossas emoções e manter relações saudáveis.

O desenvolvimento integral na infância, o qual abrange aspectos físicos, cognitivos, emocionais e sociais, é crucial para estabelecer bases sólidas, promover aprendizado ativo e formar indivíduos resilientes, socialmente competentes e capazes de contribuir com a sociedade.

Atualmente, sabemos que todas essas esferas são interligadas. Há um consenso, por exemplo, sobre como os vínculos afetivos e um ambiente familiar emocionalmente seguro na infância são decisivos para um desenvolvimento cognitivo saudável.

Por isso, é preciso ter atenção a todos esses aspectos desde cedo. O primeiro passo é conhecer melhor as esferas do desenvolvimento, como a cognitiva e a emocional.

O que é desenvolvimento cognitivo?

O desenvolvimento cognitivo tem a ver com as mudanças progressivas nas habilidades mentais e nos processos de pensamento que ocorrem ao longo do tempo, desde o nascimento até a idade adulta.

Envolve a aquisição de conhecimento, a capacidade de pensar, raciocinar, resolver problemas, tomar decisões e compreender o mundo ao redor. Há muitas teorias linguísticas que também colocam a aquisição da linguagem como um processo cognitivo.

É impossível passar pelo assunto sem citar a clássica e amplamente aceita teoria do desenvolvimento cognitivo infantil elaborada por Jean Piaget, o renomado psicólogo suíço. Segundo ele, há quatro estágios que refletem mudanças nas formas de pensar e processar informações, à medida que a criança cresce. São eles:

>> sensorio-motor (nascimento — 2 anos) — a criança aprende sobre o mundo por meio dos sentidos e das ações motoras, há desenvolvimento da coordenação motora e dos reflexos, além da noção de permanência do objeto (entendimento de que um objeto ainda existe mesmo quando não está visível);

>> pré-operacional (2 — 7 anos) — aqui, ainda há um pensamento egocêntrico, em que a criança tem dificuldade em ver as coisas da perspectiva dos outros. Ocorre um desenvolvimento massivo da linguagem e das habilidades simbólicas e imaginativas, como nas brincadeiras de faz de conta;

>> operacional concreto (7 — 11 anos) — nesse estágio, a criança aprende a realizar operações mentais lógicas e a resolver problemas mais avançados e começa a compreender conceitos como conservação (por exemplo, a quantidade de água em um copo não muda mesmo que seja despejada em outro);

>> operacional formal (11 anos em diante) — desenvolve-se o pensamento abstrato e hipotético, a capacidade de raciocinar sobre conceitos complexos e realizar inferências lógicas.

Estudos sobre esses intrigantes aspectos sugerem que o desenvolvimento cognitivo é influenciado por uma combinação de fatores genéticos e ambientais. É o famoso debate “nature vs. nurture” (inato vs. adquirido), presente em diversas disciplinas científicas desde Descartes.

Modelos mais interdisciplinares, como a do psicólogo e linguista estadunidense Michael Tomasello, defendem que a cognição humana é também moldada por processos ontogenéticos, sendo permeada por história e cultura.

Independentemente da corrente explicativa, o fato é que os processos que ocorrem na nossa mente são fascinantes e absolutamente necessários para diversas áreas da nossa vida. Também vale destacar que o desenvolvimento cognitivo não é restrito à infância: ele continua ao longo da vida, com mudanças na cognição relacionadas ao envelhecimento.

Processos cognitivos

Quer entender melhor o que é cognição? Embora seja um assunto muito complexo e que, não à toa, movimenta pesquisas abrangentes de diversas áreas, podemos dizer que os processos cognitivos se referem às operações mentais que fazemos para perceber, interagir e compreender o mundo ao nosso redor. Alguns deles são:

>> percepção — processo pelo qual os estímulos sensoriais, como os visuais e os auditivos, são identificados, organizados e interpretados pelo cérebro;

>> atenção — é a seleção, consciente ou inconsciente, de estímulos ou informações específicas, enquanto ignoramos outros;

>> memória — é o processo de codificação, armazenamento e recuperação de informações. Há a memória sensorial, a memória de curto prazo e a memória de longo prazo;

>> pensamento — envolve a manipulação de informações, a resolução de problemas e a tomada de decisões. O pensamento pode ser lógico, criativo, analítico, crítico etc.;

>> raciocínio — é o processo de tirar conclusões lógicas com base em informações disponíveis. Envolve o raciocínio dedutivo (de um cenário geral para o específico) ou indutivo (de um cenário específico para o geral);

>> metacognição — é o conhecimento e a regulação dos próprios processos cognitivos. Inclui a capacidade de monitorar, avaliar e ajustar estratégias cognitivas para melhorar o desempenho;

>> aprendizado — trata da aquisição de conhecimento e habilidades por meio da experiência, da observação ou do estudo intencional.

O que é desenvolvimento emocional?

O desenvolvimento emocional se refere ao processo de aquisição e maturação das emoções, dos sentimentos e das habilidades emocionais ao longo do tempo. Esse processo começa na infância e continua ao longo da vida, sendo influenciado por uma combinação de fatores ambientais, sociais e genéticos.

Isso mesmo! As teorias da Psicologia concordam que alguns aspectos emocionais são “de berço”, com traços de personalidade mais ou menos definidos geneticamente e que interferem na maneira como organizamos os sentimentos durante a vida.

Porém, uma parte muito significativa de como lidamos com as emoções, nossas e de outras pessoas, é desenvolvida. Quanto mais damos atenção a isso desde cedo, mais contribuímos com a formação de indivíduos capazes de estabelecer relacionamentos mais saudáveis, consigo e com o mundo ao seu redor.

Habilidades socioemocionais

Confira algumas relevantes habilidades socioemocionais:

>> empatia — é a capacidade de compreender e validar os sentimentos dos outros na mesma medida em que validamos os nossos. Começa com a capacidade de reconhecer as emoções dos outros na infância e evolui para uma compreensão mais profunda e empática nas relações sociais;

>> autoconceito e autoestima — à medida que as crianças crescem, desenvolvem uma compreensão mais complexa de si mesmas, incluindo suas emoções, habilidades e características pessoais. Já a autoestima está relacionada à avaliação subjetiva do próprio valor;

>> inteligência emocional — envolve a capacidade de reconhecer, entender e gerenciar as próprias emoções, bem como a capacidade de se relacionar efetivamente com os outros;

>> resiliência — é a capacidade de se adaptar e se recuperar diante de adversidades, desafios e situações de estresse, procurando ativamente soluções e oportunidades de crescimento em vez de se concentrar apenas nos problemas;

>> automotivação — refere-se à capacidade de se impulsionar internamente, sem depender exclusivamente de fatores externos. Pessoas automotivadas têm objetivos claros e buscam constantemente o crescimento pessoal e profissional;

>> responsabilidade — envolve reconhecer o impacto de suas ações nas outras pessoas e na comunidade, buscando ativamente maneiras de contribuir.

Qual é a importância do desenvolvimento integral da criança?

O desenvolvimento integral está intrinsecamente ligado ao sucesso educacional. Crianças que experimentam um desenvolvimento saudável têm maior probabilidade de se envolverem ativamente na aprendizagem e alcançarem sucesso acadêmico.

É na infância, também, que são estabelecidas importantes bases para um futuro saudável. Além de ser um período crítico para o desenvolvimento cerebral, é nos primeiros anos de vida que se formam marcas na memória e nos comportamentos das pessoas.

Crianças que experimentam um desenvolvimento integral também são mais propensas a se tornarem adultos bem ajustados, cidadãos ativos, inovadores e responsáveis, com um potencial transformador da sociedade.

Assim, investir no desenvolvimento integral dos pequenos desde cedo não apenas beneficia cada criança, mas também contribui para a construção de relacionamentos mais saudáveis e sociedades mais sustentáveis, resilientes e equitativas no longo prazo.

Como promover o desenvolvimento cognitivo?

Agora que você sabe a importância desses aspectos do desenvolvimento, anote algumas formas de aprimorar os processos cognitivos:

>> estimulação sensorial — experiências sensoriais variadas, como brincar com texturas distintas, explorar cores e experimentar diferentes cheiros é muito produtivo para o desenvolvimento, principalmente na primeira infância;

>> jogos educacionais — atividades que promovam o raciocínio lógico, a resolução de problemas e a coordenação motora são muito bem-vindas. Jogos de tabuleiro, como o xadrez, estimulam fortemente a atenção, a memória e o raciocínio;

>> exploração ativa — muitas habilidades cognitivas são estimuladas com o auxílio da curiosidade e a exploração ativa. Faz bem para a criança investigar o ambiente, fazer perguntas e explorar conceitos como causa e efeito;

>> oportunidades de resolução de problemas — as crianças podem ser desafiadas a solucionar problemas simples por meio de quebra-cabeças, enigmas ou situações do dia a dia que exigem pensamento crítico;

>> estimulação musical — a exposição à música tem sido associada a benefícios cognitivos. Por isso, é interessante estimular a participação em atividades musicais como cantar, dançar e tocar instrumentos simples;

>> estimulação tecnológica moderada — as tecnologias digitais podem ser benéficas na infância, quando introduzidas de forma moderada e educativa. Existem aplicativos e jogos educativos que oferecem experiências ricas de aprendizado interativo.

Além dessas dicas, muitas abordagens e pesquisas, como a teoria sociocultural de Lev Vygotsky, destacam a importância das interações sociais e culturais no desenvolvimento cognitivo. A inteligência e as habilidades mentais são vistas como algo construído em colaboração com os outros, em vez de algo inerente apenas ao indivíduo.

Como estimular o desenvolvimento emocional?

Uma parte muito importante do desenvolvimento emocional é o reconhecimento das emoções. Só a partir desse conhecimento é que as pessoas podem identificar e gerir diferentes sentimentos.

Portanto, é importante ajudar os pequenos a nomear suas emoções, mostrando que elas são normais e aceitáveis, o que ajuda a desenvolver uma compreensão saudável de diferentes estados emocionais. Mas precisamos mostrar às crianças que podemos controlar a forma como lidamos com esses estados.

Outras formas de promover esse desenvolvimento são:

>> estímulo à leitura e filmes educativos — entrar em histórias e se identificar com as experiências de personagens que têm estilos de vida, contextos, perspectivas, personalidades e emoções diferentes é um excelente exercício para desenvolver a empatia. Por isso, vale a pena investir em livros e filmes com os pequenos;

>> criação de um ambiente seguro — estabelecer uma relação sólida e baseada em diálogo com as crianças é importante para que elas sintam que podem expressar suas emoções sem medo de julgamento. Assim, começam a desenvolver a inteligência emocional;

>> incentivo à autonomia — encoraje as crianças a tomar decisões e assumir responsabilidades apropriadas para a idade. Isso ajuda no desenvolvimento da autoconfiança e na capacidade de lidar com as próprias emoções;

>> experiências diversificadas — promover o acesso a experiências diversas, como viagens, visitas a museus, passeios e esportes, é muito produtivo para que as visões de mundo se expandam e as crianças tenham vivências socioemocionais variadas, o que ajuda a desenvolver a forma de lidar com elas.

Diante desta leitura, você viu que as esferas do desenvolvimento cognitivo e emocional são fundamentais e estão interligadas a um complexo processo de crescimento e amadurecimento. Esses aprendizados continuam ao longo da vida, mas têm lugar de destaque na infância, fase que estabelece as bases para o futuro.

Você já conhecia esse assunto? O que você pensa sobre o desenvolvimento infantil em todos esses âmbitos? Deixe um comentário!

O que achou dessa matéria?

O que achou dessa matéria?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.5 / 5. Número de votos: 12

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

mais recentes
cantigas de roda
Conteúdo para Aulas
Brincadeiras de roda: tradição, diversão e aprendizado para as crianças 
Dicas
Dúvidas sobre como criar um cronograma de estudos? Descubra aqui
Dúvidas sobre como criar um cronograma de estudos? Descubra aqui
futuro verde nas olimpiadas
Dicas
Sustentabilidade: o futuro verde das Olimpíadas e Paraolimpíadas
futuro verde nas olimpiadas
Sustentabilidade: o futuro verde das Olimpíadas e Paraolimpíadas
jogos paraolimpicos
Dicas
Paraolimpíadas: superação e inclusão no esporte 
jogos paraolimpicos
Paraolimpíadas: superação e inclusão no esporte 

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro: