Enem e Vestibular

Guia sobre o que fazer se não passar no vestibular!

Por FTD Educação

Estimativa de leitura: 11min 6seg

16 de fevereiro de 2024

Não passou no vestibular e agora não sabe o que fazer para voltar à rotina de estudos? Não desanime! Confira nosso guia completo para planejar seus próximos passos.

Chega aquela época em que muitos estudantes estão aguardando os resultados do vestibular, seja no começo ou no meio do ano. Porém, nem todos recebem a notícia da aprovação. Se você é um deles, não desanime! É relevante saber o que fazer se não passar no vestibular, pois há muito a ser feito.

Nas faculdades, as vagas são limitadas, e não alcançar a aprovação é mais comum do que se imagina. Embora essa situação possa gerar frustração, é importante compreender que uma nota baixa no vestibular não define que você seja inadequado para a graduação.

Ano após ano, milhares de oportunidades de ingresso em ótimas faculdades são abertas, e sua chance de aprovação pode estar na próxima. Continue a leitura do nosso guia e veja como se preparar para seguir em frente!

Quais são os maiores motivos para a reprovação no vestibular?

Embora existam circunstâncias pessoais ou imprevistos que possam influenciar o resultado no vestibular, é comum que muitos estudantes enfrentem dificuldades por razões semelhantes. Ou seja, muitas vezes, o baixo desempenho está ligado a fatores compartilhados pela maioria dos vestibulandos.

Entre os motivos mais recorrentes, confira os que estão na lista a seguir.

Falta de uma rotina para os estudos

Para se dar bem em um vestibular, é preciso estudar por vários meses ou até por alguns anos. No entanto, se você não estabelece uma rotina de estudos antes de começar, isso pode atrapalhar sua preparação.

A rotina nada mais é do que um plano que mostra o que você precisa estudar, em que horários e como revisar o que já aprendeu. Ela é planejada conforme o que você precisa aprender para responder às questões e o tempo que tem até o dia da prova.

Por exemplo, até o primeiro dia de prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), existem muitas disciplinas para estudar. Então, se você não organiza seus estudos desde cedo, pode ser difícil aprender tudo direito nas últimas semanas.

Se você não tem uma rotina, pode acabar deixando tudo para depois, não prestando atenção ou esquecendo o que estudou. Isso dificulta aprender de verdade. Além disso, fica complicado ver se está melhorando ou onde precisa de mais ajuda.

Mas atenção, porque ter uma rotina não é só dividir as disciplinas. É ter momentos para revisar, fazer simulados e praticar exercícios com questões de edições antigas do vestibular — tarefas importantes para transformar informação em conhecimento.

Uso de materiais de estudo desatualizados ou insuficientes

A grande quantidade de informações na internet pode acabar sendo uma armadilha. Os vestibulandos sempre precisam de cautela para não acabar utilizando vídeos, postilas ou textos que não estão conforme o cobrado atualmente nas provas. 

Muitos materiais disponíveis online são genéricos e não abordam informações suficientes para uma prova de vestibular específica, como o Enem ou Fuvest, deixando lacunas no conhecimento necessário para obter uma boa nota.

Dependendo apenas de materiais genéricos ou desatualizados, um vestibulando pode acabar tendo uma preparação que não seja a ideal para um exame tão importante.

Não treinar questões antigas de prova

Existe uma verdade incômoda sobre a preparação para o vestibular que muita gente não gosta de ouvir: não adianta só estudar muito, ler livros e assistir aulas em vídeos; se você não resolve questões antigas de provas, pode ser difícil chegar na tão sonhada aprovação.

Por mais que a teoria seja importante, a prática na resolução de exercícios é o que realmente prepara para o desafio real da prova. É nesse momento que o estudante entende como as questões são formuladas, o estilo das perguntas e como gerenciar o tempo.

A necessidade de treinamento também vale na preparação necessária para escrever o texto de redação, requerido na maioria dos vestibulares do país.

Quando você estuda por livros e aulas, está construindo uma base, mas simular o dia de prova com a resolução de questões (ou com a redação) é como testar se essa base está forte o suficiente. Lembre-se: é a prática que vai realmente fixar o que você aprendeu e te preparar para responder com agilidade no dia da prova.

Poucas horas de sono

Será que a falta de sono impacta de fato o rendimento nos estudos? A relação entre a falta de sono e desempenho acadêmico é um tema que muitos se questionam, mas a resposta é sim, existe essa relação, e há comprovações científicas disso.

Uma pesquisa conduzida por uma equipe multi-institucional investigou como a duração do sono noturno no início do semestre afeta a média de notas dos estudantes universitários do primeiro ano.

Utilizando rastreadores de sono Fitbit, os resultados revelaram que, em média, os estudantes dormem cerca de 6,5 horas por noite. No entanto, os efeitos negativos começam a se acumular quando eles recebem menos de seis horas de sono. Esses achados foram publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A recomendação é que os adolescentes durmam de 8 a 10 horas todas as noites para manterem uma saúde mental e física ideal. Entretanto, quando nos preparamos para o vestibular, diversos fatores interferem nos hábitos de sono.

A pressão do tempo, a ansiedade e até mesmo a sobrecarga de estudos podem levar os estudantes a sacrificar horas preciosas de sono em prol da preparação para o exame. Infelizmente, essa decisão tem um impacto nos resultados.

A falta de sono leva à fadiga mental, à dificuldade de concentração e memorização, prejudicando a assimilação do conteúdo estudado. Também pode afetar a capacidade de resolver problemas e realizar raciocínios, habilidades para se sair bem em uma prova.

O que fazer se não passar no vestibular?

Agora que você já entende alguns dos motivos que podem interferir na aprovação no vestibular, é importante conhecer alguns caminhos caso essa tentativa não tenha trazido os resultados esperados. Veja logo a seguir!

Reavaliar o plano

Às vezes, não passar no vestibular é um sinal para repensar as prioridades na sua rotina. A maneira como gerenciamos o tempo, as estratégias de estudo e a abordagem para absorver o conteúdo são determinantes para o resultado.

Então, pergunte-se se você tem dedicado horas suficientes por dia para revisar o conteúdo, fazer simulados, ou se tem sido uma rotina desorganizada. A falta de uma programação equilibrada de estudos é capaz de comprometer o desempenho.

Reavaliar o plano também pode significar verificar se você está aproveitando ao máximo as oportunidades disponíveis, como aulas extras, revisões em grupo ou até mesmo a orientação de professores e tutores para sanar dúvidas.

Tentar novamente

Tenha em mente que muitos estudantes não passam no vestibular na primeira tentativa. Se isso aconteceu com você, vale a pena se dar a oportunidade de continuar estudando e tentar novamente no próximo ano.

Porém, iniciar uma nova tentativa implica revisar a rotina de estudos com um olhar crítico. Talvez seja necessário reestruturar o cronograma, ajustando o tempo dedicado a cada disciplina ou inserindo novas técnicas.

Não apenas isso, mas pode ser que você decida considerar mudanças nos objetivos. Às vezes, o desdobramento do aprendizado ao longo do primeiro processo de vestibular revela novos interesses ou vocações que antes não haviam sido considerados.

Se for o caso, repensar o curso desejado ou até mesmo a instituição de ensino pode ser uma escolha acertada. Explore outras opções que se adequem melhor aos seus objetivos ou que despertem um entusiasmo renovado pelo conhecimento.

Buscar alternativas

Existem diversas opções para ingressar no ensino superior além do vestibular tradicional. Uma das alternativas é utilizar a nota do Enem de alguma edição recente. Muitas instituições de ensino superior aceitam uma nota do Enem como forma de ingresso, oferecendo oportunidades para estudantes que obtiveram uma boa pontuação no exame.

Também há programas como o Prouni (Programa Universidade para Todos) e o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil), que possibilitam o acesso à faculdade por meio de bolsas de estudo integrais ou parciais e financiamento estudantil, respectivamente.

Esses programas são voltados para estudantes de baixa renda e podem ser uma ótima opção para quem busca suporte financeiro para os estudos universitários.

Sabendo que existem todas essas opções, não se limite apenas ao ingresso imediato na faculdade. Às vezes, um caminho alternativo pode revelar novas perspectivas e oportunidades que inicialmente não haviam sido consideradas.

Como manter a saúde física e mental para a prova?

Não há grandes segredos quando se trata de manter uma rotina saudável para os estudos do vestibular. Três pilares fundamentais garantem que mente e corpo estejam prontos para absorver o conhecimento: alimentação, sono e exercício.

A seguir, vamos explorar maneiras simples de incorporar esses hábitos para uma rotina de estudos mais saudável durante a sua preparação.

Mude sua dieta

O cuidado com a alimentação para passar no vestibular não é apenas sobre o que se come no dia da prova, mas sobre a rotina alimentar na totalidade. O que consumimos em cada refeição influencia nossa capacidade cognitiva, memória e foco nos estudos.

Um artigo publicado na revista Harvard Health Publishing, da Faculdade de Medicina de Harvard, destaca que os melhores alimentos para o cérebro são aqueles que beneficiam tanto o coração quanto os vasos sanguíneos, como:

  • vegetais de folhas verdes — couve, espinafre e brócolis são ricos em nutrientes como vitamina K, luteína e beta-caroteno, associados à preservação da função cognitiva;
  • peixes gordurosos — salmão, atum e outras fontes de ômega-3 podem reduzir substâncias prejudiciais ao cérebro. Consumi-los duas vezes por semana é vantajoso, mas alternativas incluem linhaça, abacate e nozes;
  • bagas — morangos e mirtilos contêm flavonoides que podem melhorar a memória, associando-se a um menor declínio cognitivo;
  • chá e café — a cafeína presente nesses alimentos pode oferecer benefícios para o desempenho mental, associada a resultados superiores em testes cognitivos;
  • nozes — ricas em proteínas e gorduras saudáveis, as nozes, especialmente aquelas com ácido alfa-linolênico (ALA), mostraram melhorias nos testes cognitivos e são benéficas para o coração e os vasos sanguíneos.

Esses alimentos são escolhas inteligentes para uma alimentação balanceada durante a sua preparação para a prova.

Comece um exercício

Mesmo que a ideia de passar horas na esteira ou levantando pesos na academia não pareça atraente, os benefícios do exercício vão além do esforço físico. É incrível o que o exercício pode fazer pelo seu corpo.

Além de melhorar a forma física, os exercícios ajudam a liberar substâncias que trazem felicidade, como endorfinas, reduzindo o estresse e melhorando o humor. Estudos mostram que até mesmo sessões curtas de exercício já são benéficos para a saúde mental e física.

Isso significa que não é necessário dedicar horas de atividades físicas por dia. Exercícios moderados, como uma caminhada rápida, uma aula de dança ou até mesmo um treino intervalado curto, trazem vantagens para a saúde.

Os benefícios incluem melhorias na concentração, na memória e na capacidade de aprendizado, elementos para enfrentar os estudos para o vestibular.

Durma bem

O sono é tão importante quanto a resolução de exercícios quando você está se preparando para uma prova. Por esse motivo, é bom avaliar se, na primeira tentativa de passar no vestibular, a falta de tempo para dormir o suficiente foi um dos problemas.

Para garantir um sono bom, é bom criar uma rotina. Tente dormir e acordar sempre nos mesmos horários. Evite mexer no celular ou ver coisas agitadas antes de dormir. E, claro, reserve um tempinho tranquilo antes de deitar.

A recomendação é que os adolescentes durmam de 8 a 10 horas todas as noites para manterem uma saúde mental e física ideal.

É crucial equilibrar o estudo com o descanso. Não adianta estudar até tarde se isso te deixa cansado no outro dia. Planejar um horário de estudo com pausas e tempo para dormir é bem legal.

Agora que você já sabe o que fazer se não passar no vestibular, lembre-se que o mais importante é encontrar um caminho que faça você se sentir realizado e motivado para seguir em frente. Não passar no vestibular não é um fracasso, mas sim uma oportunidade para reavaliar e direcionar seu caminho.

Quer ficar por dentro de mais dicas? Aproveite para assinar a newsletter da FTD Educação e receber nossas atualizações por e-mail!

O que achou dessa matéria?

O que achou dessa matéria?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

mais recentes
Conteúdo para Aulas
Como trabalhar a Semana do Meio Ambiente na Escola   
Como trabalhar a Semana do Meio Ambiente na Escola   
Conteúdo formativo
ESG na Educação: acessibilidade digital e inclusão na prática  
ESG na Educação: acessibilidade digital e inclusão na prática  
Dicas
Curso de Letras: para além da carreira de professor 
Curso de Letras: para além da carreira de professor 

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro:

Olá! Que bom ter você conosco! :)

O Conteúdo Aberto oferece gratuitamente conteúdos com curadoria pedagógica para estudantes, escolas e famílias.
Para ter acesso aos melhores conteúdos, efetue seu login ou cadastro: